Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Hotelaria e Turismo PT

Novidades, curiosidades, notícias e tendências. Para opiniões reais sobre hotéis e restaurantes, siga a nossa rúbrica: Viagens a 2!

Hotelaria e Turismo PT

Novidades, curiosidades, notícias e tendências. Para opiniões reais sobre hotéis e restaurantes, siga a nossa rúbrica: Viagens a 2!

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

A Internet não é para velhos! Mentira...

Que os públicos com +55 anos (maduros, séniores ou idade de ouro) são um grande segmento de mercado, pela frequência de férias que fazem, pelos gastos médios ou mesmo pelo padrão de gastos, já todos nós sabemos.

 

É inegável que este grupo está cada vez maior, porque a expectativa de vida e os rendimentos disponíveis também são maiores e as próprias viagens estão cada vez mais acessíveis, levando a uma nova época de ouro da idade dourada (desculpem o trocadilho…)!

 

A pergunta é:

O que estamos a fazer para captar o segmento de mercado sénior?

 

Agora que muita gente fala nos Millennials, na Geração Y e Z, que pelas suas preferências digitais em consumir conteúdo relacionado com viagens obrigam os hoteleiros a revolucionar as suas estratégias de marketing e publicidade, parece que esquecemos um pouco que as gerações mais antigas também estão expostas a esta mesma revolução digital e que também os públicos mais velhos se encontram cada vez mais à vontade na utilização de novas plataformas, sejam elas de hardware como tablets e smartphones ou de software com a adopção de redes sociais (principalmente o Facebook e Instagram) para a partilha ou pesquisa (principalmente o Youtube) de conteúdo relacionado com viagens.

 

Como resultado, os acadêmicos na Finlândia têm olhado para os membros das geração mais antigas e tentado esclarecer a forma como esses membros se relacionam quer com o consumo de viagens e conteúdos relacionados com viagens em ambientes digitais, mas também com a própria tecnologia no seu todo.

 

O Centro de Estudos de Turismo da Universidade da Finlândia, tomando por base um estudo feito na cidade de Savonlinna, entrevistou pessoas com idades compreendidas entre os 61 e os 78 anos de idade e descobriu três grupos diferenciados por comportamento:

 

  1. Experimentador Aventureiro

Boas capacidades de utilização de tecnologia. De mente aberta e com capacidade de resolver problemas por si próprio, possui tablet e/ou smartphone, reserva componentes da viagem (hotel – avião – transfer) individual e separadamente.  Nas preferências de viagens, é confiante na escolha do destino e utiliza tecnologia para recolher informação adicional e decidir. É um viajante independente, gosta de experimentar novos destinos e evita pacotes de viagem já prontos para destinos massificados.

 

  1. Pesquisador Meticuloso

Capacidade de utilização de tecnlogia mais limitada mas disponível para aprender. Necessita de alguma ajuda de terceiros. Reserva habitualmente pacotes de viagens completos. Utiliza a tecnologia, principalmente na pesquisa de informações, e aprecia a segurança, conforto e conhecimento do destino escolhido.

 

  1. Observador Desajeitado

Não estão muito interessados em utilizar novas tecnologias e necessitam de ajuda de terceiros para utilizá-la. Antes da reforma tinha pouco ou nenhum contacto com tecnologias de informação e actualmente não possui tablet ou smartphone ou se os possui é apenas para utilização básica. Este grupo é o que apresenta maiores preferências por pacotes de viagem prontas e destinos já conhecidos previamente.

 

Então, qual é o ponto deste estudo?

 

Na nossa opinião, o ponto deste estudo é provar que os viajantes séniores não podem ser idealizados como absolutamente aversos à tecnologia, incapazes de aceder à internet para pesquisar num guia online sobre um ou mais destinos, sobre preços de voos ou qualquer outro dos muitos componentes de uma viagem.

 

Na realidade, os viajantes séniores são compostos por vários diferentes segmentos com padrões de comportamento diferente entre todos eles e ao abordá-los é bom ter isso em mente. Se alguns definitivamente se comportam como um utilizador da Geração Y, outros preferem um misto de ROPO (Research Online, Purchase Offline) e outros tem ainda um comportamento puramente Offline.

 

Outra ilação interessante é que cada vez é maior o número de viajantes seniores que faz uso das redes sociais, particularmente para partilha de informações e claro é inevitável o uso de redes como o Facebook ou o Instagram.

 

Independemente da idade, o que parece ser uma boa aposta para abordagem a todos estes segmentos, é a utilização de websites com informações relevantes de destino, complementado por uma abordagem em redes sociais.

 

Para saber mais sobre este estudo, pode fazer o download aqui.

Viajantes séniores

 

Fonte: www.tnooz.com