Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Hotelaria e Turismo PT

Novidades, curiosidades, notícias e tendências. Para opiniões reais sobre hotéis e restaurantes, siga a nossa rúbrica: Viagens a 2!

Hotelaria e Turismo PT

Novidades, curiosidades, notícias e tendências. Para opiniões reais sobre hotéis e restaurantes, siga a nossa rúbrica: Viagens a 2!

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Apartamentos ilegais na Booking.com

Calma...o título é forte mas é retirado da Hosteltur conforme vão poder ver abaixo.

 

Recuando um pouco no tempo:

Toda a gente sabe que a Booking.com é senão a maior OTA (Online Travel Agent) do mundo, pelo menos uma das duas maiores. Aliás na Europa alguns estudos indicam que cerca de 50% de todas as noites reservadas são feitas via Booking.

Em resumo, quase toda a gente que conheço os usa, ou usou ou então planeia usá-los para as próximas férias, escapadinhas, viagem de negócio, etc...

 

Quem está mais atento, deve ter também reparado que nos últimos tempos o gigante Booking.com detido pelo ainda maior gigante Priceline está a tentar (e a conseguir) adicionar tipos de alojamento alternativos como apartamentos e vilas e inclusive lançou em 2014 o Villas.com, um site de arrendamento de propriedades em tudo semelhante (mas com menos variedade de escolha) à pioneira HomeAway

 

Sem dúvida um movimento inteligente de quem quer aproveitar um segmento de mercado com um crescimento extraordinário.

 

A líder mundial deste sector é a HomeAway que facturou em 2014 mais de $400M com crescimento de quase 30% vs 2013 (2015 continua em crescendo). A emergente AirBnB criada em 2008 está a fechar uma capitalização de $1,4Bn o que equivale a uma avaliação da empresa superior a $20Bn. Esta avaliação tornará a Airbnb a 3ª maior marca de Hospitalidade do mundo, atrás apenas da Hilton e da Marriot. 

 

Por tudo isto, a Booking e a empresa mãe Priceline, tem gerido com pinças este mercado complicado dos arrendamentos. Complicado porquê, pergunta o(a) leitor(a)?

 

Porque parece que alguns dos apartamentos que se encontram disponíveis na Booking.com, Airbnb ou HomeAway não são devidamente legalizados pelos seus donos, não pagam impostos e em muitos casos nem sequer cumprem regras mínimas de higiene e segurança

 

Então, o que se está a fazer para mudar isto?

 

Em Portugal foi lançada a Nova Lei do Alojamento Local em 2014 e apesar das inspeções terem aumentado, a realidade é que continua a ser fácil encontrar quem não esteja a operar legalmente.

 

Voltando então ao tema e ao artigo da Hosteltur sobre os apartamentos ilegais na Booking.com:

 

Os nossos vizinhos da Junta da Catalunha já em 2012 tinham lançado uma lei que obrigava os apartamentos e vivendas a registar-se nas finanças e a cumprir determinadas regras básicas mas eficazes para poderem trabalhar.

 

Agora e em antecipação ao resto do mercado Europeu, chegaram a um acordo com a Booking.com para que sejam removidos do site da Booking.com todos os apartamentos, vivendas ou casas alugadas que não cumpram as regras.

 

Sem dúvida, parece-nos uma excelente forma de finalmente resolver o problema! Ao invés de ir atrás dos milhares de individuais que operam ilegalmente, chega-se a acordo com o punhado de empresas que disponibiliza os apartamentos ilegais

 

Para quando a mesma atitude para Portugal?

 

Deixe o seu comentários, dê-nos a sua opinião!

 

Booking.com o site de alojamentos #1 do mundo

 

 

 

2 comentários

Comentar post